LEIA TAMBÉM

BC nega antecipar intervenções no câmbio após declaração de diretor

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) – Após declaração do diretor de Política Econômica do BC (Banco Central), Fabio Kanczuk, sobre possível atuação cambial no fim do ano, a autoridade monetária divulgou nota na noite desta sexta-feira (6) para afirmar que não antecipa eventuais decisões sobre intervenção no câmbio.

Em evento virtual promovido pelo Itaú na tarde desta sexta, Kanczuk indicou que o BC deve atuar no final do ano em função de grande fluxo esperado no país pela questão do overhedge dos bancos, um mecanismo de proteção contra a variação cambial.

De acordo com Kanczuk, o BC tem o tema "super bem monitorado". Ele pontuou ser trabalho da autoridade monetária impedir problemas.

"O mercado precisa ser espesso, grosso o suficiente para aguentar um fluxo muito grande que vai acontecer no finalzinho do ano, e o Banco Central (está) pensando em alternativas de como não deixar que esse fluxo seja disruptivo", disse ele.

continua depois da publicidade

continue lendo

"A gente tem dúvida se mercado tem espessura suficiente para isso e acha que vai precisar dar alguma ajuda para isso não chacoalhar e com isso o Brasil inteiro sair prejudicado", completou.

Após as declarações, a moeda americana seguiu trajetória de queda. No fechamento da sexta, o dólar caiu 2,84%, a R$ 5,388, menor valor desde 18 de setembro e sua maior desvalorização diária desde 28 de agosto.

No início da noite, o BC soltou uma nota à imprensa, na qual afirma que decisões sobre disfuncionalidades de mercado são tomadas de forma fundamentada, com governança e transparência.

"O Banco Central reitera que avalia continuamente o funcionamento do mercado de câmbio e esclarece que não antecipa eventuais decisões sobre intervenção, rejeitando quaisquer interpretações neste sentido", informou.

Durante a tarde, o ministro Paulo Guedes (Economia) também fez comentários sobre câmbio no mesmo evento.

Guedes voltou a dizer que "agora é juros mais baixo e câmbio mais em cima mesmo". Para ele, a manutenção do dólar em um patamar muito baixo em relação ao real demanda que o país tenha muitas reservas em moeda estrangeira. De acordo com o ministro, o Brasil não vai "queimar reservas".

"Uma coisa é você estar com uma moeda a R$ 1,80, R$ 2,00, R$ 2,80, claramente sobrevalorizada. Outra coisa é estar a R$ 5,50, aí não precisa de tanta reserva para defender uma moeda que não está mais sobrevalorizada. Possivelmente até já teve um 'overshooting', já bateu lá em cima e já avançou", disse.